Um Blog de percepções, de afetos e algumas bobagens cotidianas.

domingo, 12 de abril de 2009

WINNIE COOPER também cresceu

Anos Incríveis foi a nossa estréia no universo dos seriados televisivos. Digo "nossa" porque na época eu estudava no João XXIII e nessa fase, que devíamos estar passando pela sexta ou sétima série - leia-se 12 ou 13 anos - andávamos muito grudadas, a Fê, a Adri e eu. A Fê era a TV-maníaca entre nós e foi ela que me fez gostar de deixar a MTV sintonizada, de background para qualquer tarefa que eu realizasse no meu quarto e foi ela também que nos apresentou a série da minha pré-adolescência, Anos Incríveis. Obrigada, Fê.
A gente assistia todas as noites àquela história de nós mesmos, de abertura anunciada pela música de Joe Cocker, With a Little Help From My Friends, que era acompanhada de uma edição simulando trechos de vídeos caseiros da família Arnold. E cada episódio nos contava uma pequena história na vida dessa família, sempre narrada em primeira pessoa por Kevin Arnold, o filho mais novo de três irmãos, vizinho de Paul, apaixonado por Winnie Cooper. Vizinha, colega, amor não correspondido até segunda ordem. Nossa ídola-mor.

E a Fê era a cara da Winnie!
Mas todas nós sonhávamos em ser Winnie, porque todas nós sonhávamos em ser o grande amor do Kevin. Mas todas nós tinhamos mesmo muito de Winnie e o autor dessa série sabia bem como nos atingir. Pernas finas, vergonhinhas, amigas e fofocas, meninos da mesma idade apaixonados por nós, meninos mais velhos que não nos davam a menor bola..só que mesmo que a gente soubesse que para a Winnie era muito mais interessante querer os meninos mais velhos, a torcida geral era para que ela acabasse ficando com o Kevin.

Enfim, acabei me empolgando e falando muito da série, porque realmente ela fez parte da minha vida intensamente. Mas só falei da série porque hoje aconteceu um daqueles reencontros surpreendentes onde nos damos conta de que o tempo passou. Reencontrei Winnie Cooper. Mas Winnie, embora conservasse aquela voz chatinha e gasguita, estava me traindo. Não era Kevin do lado dela. Ela nem mesmo se chamava Winnie (e eu nem quero lembrar do outro nome). Ela estava em outro seriado, um tal de Inspector Mom, onde agora o seu papel era ser uma mãe de família e - eu pasma - era ela agora a narradora dessa história, em primeira pessoa, bem como Kevin fazia em Anos Incríveis! Ela cresceu gente, ela está visívelmente mais velha, é uma mulher agora. Uma mulher que eu acompanhei dos doze aos, digamos quinze anos. Lembro do último episódio e inclusive encontrei ele e estou postando aqui para poder reviver essa emoçãozinha.



Eu quis apagar a "nova Winnie" da minha memória e deixar a antiga Winnie ali ocupando o seu lugar original. Mas resolvi passar por cima disso e encarar que a Winnie cresceu, que eu cresci, mas que a antiga Winnie ainda está lá. É só pegar o DVD.

Então vamos nos divertir com essa evolução! vivez et changez !

Nenhum comentário: