Um Blog de percepções, de afetos e algumas bobagens cotidianas.

terça-feira, 26 de maio de 2009

EU NA REVISTA DA GOL


Tom, o garçom mais figura, no meio da gurizada


Constantino, "o dono"

A "famiglia" reunida no Odeon, dia da foto que vai sair na REVISTA DA GOL, com uma super matéria da Sara Cadore sobre os redutos Porto Alegrenses. Eu lá! Não deixem de viajar pra ver..hehehe. A foto que vai sair na matéria ficou bem legas mas não vou publicar aqui agora.

Os cliques acima foram um "brinde" do super fotógrafo Renato Stockler.

PLIET.


Eis que finde passado levei meus avós para assistir ao Ballet Nacional de Cuba, liderado pela grande Alicia Alonso, a vovó do ballet, que trouxe a Porto Alegre o espetáculo Giselle. Eu tinha me esquecido como o ballet clássico envolve a gente, um drama só...a história que me fez chorar (eu sou muito bobalhona) era mais ou menos assim: Giselle, pobre Giselle, era uma caponesa linda que despertava a atenção de todos no reino. Um nobre se apaixona por ela e mente pra ela que é um camponês, só pra ganhar a moça. Ela se apaixona por ele. Mas a Giselle tem outro apaixonado, esse sim é um camponês, que decide entregar o mentiroso, achando que vai agradar a Giselle. Mas a Giselle fica tão abalada que morre de desgosto (que horror). No segundo ato ela, passando dessa pra outra melhor, aparece toda de branco, assim, meio alma-penada mesmo, e faz uma visita pro pobre galã que penava chorando em cima do túmulo (culpa, a maldita culpa). Ela protege o namoradinho das tais Wilis (almas-penadas que capturam os homens que circulam no vale, e fazem eles dançar até a morte!) e impede que elas o matem.



O ballet é uma grande encenação sem diálogos. A gente imagina tudo. Acho que talvez esse fosse o maior encanto que me fazia implorar para minha vózinha me levar às apresentações, que eu me lembro serem frequentes na Ospa. Eu saía rodopiando. eu queria ser bailarina.

Acho que eu ter levado minha vó no ballet foi uma grande reconciliação com ela, porque até hoje ela achava que era culpa dela eu não ter seguido carreira...haha.
Ela me deixou de molho lá na escolinha, eu tinha uns 5 anos. Foi comprar verduras. Eu achei que ela tivesse me deixado lá e nunca mais quis voltar. Sonho cor-de-rosa amarelou junto com o pimentão que ela carregava na sacola de feira.

Mas não sei se eu fazia o tipo bailarina...

Bem, viva Alicia Alonso, viva o Ballet, viva os rodopios da vida.
E viva os meus avós que toparam a empreitada e sairam com um sorrisão rasgado no rosto.

domingo, 17 de maio de 2009

Nobody Knows You When You're Down and Out

Nina Simone era jazz, blues, gospel, folk, soul.

Nina cantou no funeral de Martin Luther King.

Nina era "Simone" em homenagem à grande atriz francesa Simone Signoret.

Nina foi uma das primeiras cantoras negras a ingressar na Juilliard School of Music, em NY.

Nina era piano e voz.

Nina Simone morreu enquanto dormia em 2003.






Aqui uma versão delicinha bem humorada.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

zés buscadores supremos


A busca incansável dos zés...encontramos esse vinil no brique da Redenção.

Zé Ramalho - A peleja do diabo com o dono do céu
1979 - Epic

* 01. A peleja do diabo com o dono do céu (Zé Ramalho)
* 02. Admirável gado novo (Zé Ramalho)
* 03. Falas do povo (Zé Ramalho)
* 04. Beira-mar (Zé Ramalho)
* 05. Garoto de aluguel (Taxi boy) (Zé Ramalho)
* 06. Pelo vinho e pelo pão (Zé Ramalho)
* 07. Mote das amplidões (Zé Ramalho)
* 08. Jardim das Acácias (Zé Ramalho)
* 09. Agônico (Zé Ramalho)
* 10. Frevo mulher (Zé Ramalho)

domingo, 3 de maio de 2009

Removal Studies by Michael Kontopoulos

Removal Studies (1-3) from Michael Kontopoulos on Vimeo.


Fiquei com vontade de documentar meu próprio sono.

"Removal Studies" are a series of videos made using time-lapse photography. These videos are sleep studies that observe the reaction of the unconscious body to the negative stimulus of removing the covers.
The covers are removed by a machine that attaches to the bed and tugs a slight amount off in increments throughout the night. By studying the sleeping body, my aim was to capture something very honest and very animal about human beings. I was interested in this gesture of removal -- and subsequently, exposure -- and how it could function as a larger metaphor.