Um Blog de percepções, de afetos e algumas bobagens cotidianas.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Que venham os novos contatos!


Chegando aí 2009 e me dei de presente uma verdadeira renovação:
PERDI MEU CELULAR.

E  com ele, toda a minha agenda telefônica, números que muitas vezes foram apenas armazenados e nunca discados, números de uso frequente, números, números, números. Todo um calendário de atividades e lembretes e mensagens antigas guardadas com tanto carinho. 

Mas com esse dispositivo tecnológico também vai o meu 2008. Hora de renovar, de atualizar, reprogramar e repaginar - ainda existe essa expressão em plena era digital?
Agora, definitivamente e sem via de dúvidas, os bons e os que realmente me são úteis, sobreviverão. 

Que venha, então, esse novo ano e sua intensa busca pela recuperação da agenda. Bem que a Morg me alertou: tenha sempre uma agendinha telefônica de papel, pois a gente nunca sabe quando vai decidir que o passado escorregue da nossa bolsa para bem longe.





sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

pedacinho de mim



Para pessoinhas especiais, sonhos especiais




An awesome book
!

esse é um livrinho para ser lido na web.
um trecho de presente, para não parar de sonhar sonhos de purpurina:

...

there are places in the word where people do not dream
of rocket-powered unicorns
and candy cane machines
of magic watermelon boats
and musical baboons
or teeny tiny trupet players
training per raccoons

yes there are places in the world where people dream up dreams
so simply un-fantastical and practical they seem
to lose all possibility of thinking SUPER things


...

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

As sutis violências do dia-a-dia

Andando de carro na Ipiranga, ouvindo meu som em alto volume, querendo conhecer melhor o novo disco do Camelo, Sou. Eu distraída, tentando entrar na letra, na melodia, acostumar o ouvido.
Paro no verde. Repito a faixa da Mallu cantando em português. Abre o sinal. Eu, um segundo atrasada enfiada na canção, não arranco. Tomo um buzinasso. Quebrou o clima. E me senti agredida.

Passeando no shopping atrás de presentes de natal – não que esse seja meu programa favorito, pelo contrario – me misturo na multidão. Atenta aos rostos de pessoas desconhecidas, olhando vitrines que concorrem com luzes, cores, brilhos e purpurinas, entro no clima natalino. Uma imensa arvore e muitas crianças em volta com aqueles rostinhos rosados cheios de sorriso me fazem esquecer a loucura ensandecida capitalista.
Na minha frente, um grupo de executivos bobos riem feito hienas de qualquer coisa (futebol, mulher ou pegadinha) e quase atropelam a moça da limpeza, que consegue se adiantar uns dez metros deles e deixa um aviso amarelo no chão que diz "piso escorregadio". Distraído, um dos executivos bobos-rindo-feito-hiena atropela o aviso. Eu e as pessoas ao meu redor ouvimos o barulho da estrutura de plástico amarela caindo no chão. Ele também ouviu e viu – lógico – o objeto nocauteando no piso brilhante do shopping. Mas seguiu em frente, como se nada tivesse acontecido, rindo feito uma hiena, mesmo que eu e alguns passantes gritássemos - mal educado, tu não vai juntar...e saio do shopping violentada.

Procurando vaga para o meu carro em frente ao Museu do Trabalho, feliz que ia ver todos os meus amigos na abertura de uma exposição, encontro a sobrevivente, bem perto da entrada – coisa rara nos dias de hoje, ainda mais quando não vem acompanhada de um flanelinha – bingo. Eu sorrio aliviada, posiciono o celtinha e pisco para entrar. Quando olho pelo retrovisor, eis que um mau-educado-contemporâneo enfia seu carro rapidamente dentro da vaga, ignorando meu pisca, ignorando a minha existência na terra. Mas ah não, assim já e demais. Cansei de ser agredida, resolvo me vingar de todos os desgraçados que me fizeram passar por situações desagradáveis, reúno todas as magoas e mais outras tantas, enfio a mao com vontade na buzina. Mas enfio a mao na buzina como quem enfia o pe na jaca. E ela sai, muito, muito alta e continua.
Imediatamente o idiota se retira, reconhecendo sua posição de idiota.

E eu me sinto a Zorra do dia.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

so vicious



A Mônica adolescente, era só o que faltava. O Leo chegou aqui na Maria divulgando essa e eu tive que correr pra internet, não me contive, qual menina não se identificava com aquela dentucinha porra-loca que enchia o pobre do cebolinha de coelhadas..
Descobrimos que todos os personagens passaram pela evolução e inclusive ganharam um toquezinho da estética mangá..e mais: o cascão é skatista! A Magali tem um ipod, cabelo comprido e anda de roller.
E começamos um papo aqui de atuais adultos perplexos com o fato de nossos ídolos ilustrados da infância terem se transformado junto com a gente. Eis que chegamos a alguns questionamentos que merecem ser respondidos ou não...ficam as dúvidas..
- e se a Mônica e o Cebolinha cresceram, será que o floquinho não passou dessa pra outra melhor, hein..
- e o bidu? Será que não passaram os dois pra Turma do Penadinho - lembra dessa? haha..
- será que o cascão tomou banho? Será que ele usa Axe?
- será que a Magali ficou gordona? Ou anorexica? Ou bulímica..nossa..
- será que a Mônica deu pro Cebolinha? Será que o coelhinho encardido faz parte da fantasia sado-masô da dupla? - e ficamos sabendo que pelo menos um beijinho já rolou.
- e o chico bento, hein, como seria um caipira mangá..isso é louco.

Ai, são tantas as curiosidades que eu tô quase indo ali na banca da república comprar uma revistinha pra mim.